terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Onde a Mágica Acontece

Soundtrack: Jim Sturgess - All My Loving

Aí você pensa: por que esses desencontros acontecem justamente na minha vida?

Você está sozinho e, um dia, conhece alguém legal. Legal é pouco: extremamente legal. Além de extremamente legal, a criatura é bonita, simpática, inteligente, divertida, bem-sucedida e compatível com você do ponto de vista intelectual, sexual e até astrológico. Como se não bastasse, move montanhas para estar ao seu lado, ama sinceramente o seu cachorro de estimação, prepara como ninguém o seu prato favorito e, por motivos óbvios, virou o xodó da família. Tudo o que você sempre quis – mas, por algum motivo, depois de algum tempo, você começa a se perguntar se tem algum problema de audição ou se os sininhos realmente não tocaram pois tem a sensação de que, embora não falte nada, falta. Logo você está all by yourself de novo, se perguntando por que esses desencontros acontecem justo na sua vida e as suas borboletas gástricas ignoraram a existência de alguém que, sem dúvida nenhuma, era o seu número. É, colega. Não adianta insistir. A gente não escolhe por quem se apaixonar. É assim: você estava de coração aberto, mas a mágica, simplesmente, não aconteceu.

Ninguém se apaixona por outra pessoa só porque ela saltou de bungee jump carregando uma faixa com o seu nome. Ou porque ela preenche absolutamente todos os requisitos que você inclui naquela lista enorme repetida à exaustão, durante a sua vida inteira, em cada prece em favor da sua vida amorosa. O pacote completo impressiona à primeira vista, mas os detalhes, ah, os detalhes, essas coisas às vezes inapropriadas que nos saltam aos olhos tão apropriadamente. A gente se apaixona nos detalhes. No detalhe do sorriso, no detalhe do olhar, no detalhe do clichê, no detalhe de alguma frase ridícula. A gente se apaixona no detalhe da camisa fora de moda que não tem nada a ver com a produção mas tem tudo a ver com a sua alma demodê e pode se apaixonar definitivamente no detalhe “não acredito que a gente tem o mesmo filme preferido, cara”. A gente percebe que o estômago virou uma sede de borboletas hiperativas diante da banalidade, porque o “especial” nasce aqui dentro, muito dentro, é algo muito particular: um belo dia, o modo como alguém segura a caneta, diz “oi” ao telefone ou passa a mão nos cabelos ganha um novo significado diante dos seus olhos, e o simples ato de mascar um chiclete pode abrir a porta para uma observação demorada – e enamorada – do quanto os músculos faciais do destinatário da sua paixão ficariam ainda mais bonitos durante o um beijo. Ah, os detalhes. Quem nunca sorriu um sorriso bobo diante do gesto cotidiano de alguém, quem nunca se sentiu andando nas nuvens ao acompanhar alguém em sua caminhada, quem nunca teve certeza de que a terra parou de girar no exato instante em que alguém se sentou ao seu lado puxando conversa, quem nunca se surpreendeu com a própria vulnerabilidade ao ser surpreendido pelo próprio coração me perdoe, mas não sabe o que é se apaixonar.

Não existe a pessoa errada, tampouco a pessoa certa – o que faz a gente se apaixonar depende menos do que o outro nos oferece e mais, infinitamente mais, de quem somos no momento em que encontramos alguém. Na dúvida, a culpa é sempre nos neurotransmissores. Porém, se você não está disposto a se apaixonar, um conselho: ignore os detalhes. Por mais que se diga que a paixão é mera questão de química, os tais detalhes são o mínimo múltiplo comum entre o que acontece mundo afora e tudo o que vivemos coração adentro. Há quem diga que é química, mas, no fundo, é como mágica. E a mágica – por sorte – não tem hora para acontecer.

Imagem: Google

7 comentários:

Flávia Rocha disse...

Que lindo, xará... Amei de corpo, alma e coração. Saudade de passar por aqui. Beijos.

Ridiculous thoughts disse...

Não tem jeito, afinidade de alma é fundamental. Uma boa aparência ajuda na atração física, mas depois a verdadeira beleza, a interior, tem que fazer o seu trabalho. O papo tem que fluir, as afinidades tem que aparecer, os interesses em comum, a "mágica" tem que acontecer. Quem pautar esse tipo de decisão pela racionalidade pode até obter um bom acordo, desprovido, porém, de verdadeira emoção. No caso do Sr. Perfeito da postagem, embora ele certamente tenha contado com boa dose de condescendência da autora, ele não era tão perfeito assim, pelo menos não para muita gente. Tenho certeza, porém, que alguém saberá apreciar essa perfeição. No mais, é isso mesmo. Como sempre, um show de análise.

Monique disse...

Flá,

gostei mundo do que você disse: se apaixonar depende mais "de quem somos no momento em que encontramos alguém".

A gente ama o desajuste.

Um beijo.

Alexandre Lucio Fernandes disse...

Flá, quem há de entender? Se apaixonar é magia. Não dá pra mensurar este encanto pequenino, ao mesmo tempo gigantesco que brota e tremula no peito toda a sua fragrância.

É mais que um simples gostar, é uma sintonia que surge no momento, na condição com a qual o coração vive. As sensações parecem se chocar, ante tanta mágica. É um enlace misterioso, mas digno de estremecer a base do peito. Não se escolhe, a mágica acontece, independente de querer, independente da pessoa.

Concordo que se apaixonar depende muito de quem somos no momento. É a nossa disposição, nossa relação com isso que estabelece a intensidade da nossa transformação diária. a magia suscita por entre esses florescimentos mínimos, mas repletos de grandeza.

Surge aí, no momento mais improvável.

Texto lindíssimo.

ps: sentia saudades da tua leitura...

Beijo florido!!

Anne disse...

Ahhhh, que lindo! Amei, Flavinha. Suas palavras sempre me encantam. E não é assim mesmo a paixão? Sem nexo, sem medida, sem escapatória... e pra que fugir? É bom demais sentir!

O que mais me encanta em alguém continua sendo o sorriso. Sabe aquele tipo de gente q sorri com os olhos, com a alma? Desse tipo. Gente assim é linda, é essencial.

E nesse mundo tão cinza, SENTIR ainda é o que nos faz vivos, o que nos faz gente.

Estou divagando demais hj, deve ser a chuva...rs. Saudades de ti, mesmo.

Bjo grande

Sol disse...

Eu me vi em cada palavra desse texto. O amor é mesmo de mágica.

Meu carinho, Flávia.

Anônimo disse...

People who liκеd іt also sаid that theу had to
рlacе in somе physіcal exеrcising аnd a сontrol more thаn eating plan to
drop fаt frοm the abԁomen.

Hаѵe a look аt mу page - Http://Www.sors.ie/blog/index.php?postid=11056