segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Da Pequena e Dolorosa Impropriedade de Não Sangrar Até Viver

"Then share thy pain, allow that sad relief;
Ah, more than share it! give me all thy grief."

(Então compartilha a tua dor, permita que se alivie a tristeza;
Ah, mais que compartilhá-la! dá-me todos os pesares.)

Alexander Pope - Eloisa to Abelard

Soundtrack: Russian Red - Gone, Play On





Hoje, estranhamente, eu quereria sofrer.

Quereria uma dor que me cortasse a carne. Dilacerante. Súbita. Agônica. Feita de infinitas dores menores, aquelas todas que teimei um dia em não sentir ou em não vivê-las com a entrega que mereciam de mim. Uma dor implacável, uma dor agigantada pelo meu próprio medo de sentir dor.

Hoje eu quereria uma dor de coração em frangalhos e choro devastado, de mãos e pernas trêmulas e espasmos de corpo inteiro e joelhos feridos da queda – sem lenços, sem consolações, sem ofertas de ombros ou amparo, sem, sem, sem. Pelo chão, um a um, crises existenciais, mecanismo de luta e fuga, papéis em branco e rabiscos imaginários. Uma dor egoísta: inteira minha. Uma dor que me possuísse com a fúria das dores rejeitadas e menosprezadas que vêm para cobrar seu tributo quando a fragilidade nos assola e não me atreveria novamente a escorraçá-la, venha, eu te acolho nos meus braços suados; apenas me esgote e me anestesie até que eu nada sinta e, então, se despeça com um beijo torto e saciado e vá embora exatamente como veio. De uma vez.


31 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

Flávia,

Esse é o estilo emo? Estou tentando aprender sobre os estilos contemporâneos.


abraço
Marcos

Flávia disse...

MARCOS,

Não entendo de emos. Nem de distinções. Você entende?

Logo, não posso te ajudar nessa.

Abraço

so sad disse...

eu diria que voce quer sentir e ir fundo , na veia!
beijo!

Ana Claudia disse...

Cara Flávia,

Assim como há dias em que queremos sofrer e não conseguimos isso exatamente como imaginamos merecer, há os dias em que queremos ser felizes, mas a felicidade não vem. O jeito é aguentar às vezes, aceitar outras tantas e agir nas demais.

Sempre parabéns pelo seu blog.

Gilberto disse...

Sofrer ou nada sentir?
Somente quem já realmente sofreu e que também nada tenha sentido poderá responder tal anseio.
Mas desde que a circunstância que levou ao sofrimento ou à ausência de sentimento tenha sido a mesma.
Eu não quero sofrer ...

Luna disse...

a dor em eterna exposição.

prd disse...

Teus textos sempre nos chamam à realidade, mesmo que viajes por estradas tão ficcionais.

Beijo, Flávia

Su disse...

As dores nos ajudam a crescer!

bjos!

Anne disse...

Lindo e forte, feito vc!
Aliás, ve se aparece mais vezes, gosto de ter notícias suas!
AMO vc de monte, estarei sempre por perto, lembre-se disso!

Bjos, mana!!!
Miss u

Letícia Losekann Coelho disse...

Algumas vezes a gente busca o sofrimento do dia a dia. A dor para sentir, o sofrer para provar que vive.
Adorei o texto.
Beijos

As I Am disse...

Já melhorou, querida?

Fossa tem quer ser dolorida mesmo e depois, ressurgir renovada!

Bjo

Menina Misteriosa disse...

Eu sou assim: preciso sentir até o fim, bem sentido mesmo, sem ajudas, sem subterfúgios para conseguir seguir em frente, me sentindo realmente livre.

Muito bom, Flavinha!
Espero que esteja bem...

Beijo

georgia disse...

olá olá... n te conheço assim de ter notícias suas. mas conheço de reconhecer, de me reconhecer, de reconhecer um conhecido qualquer... mas como disse a anne (q eu tbm n conheço), apareça mais vezes, sim? espalhe-se pelos ares dos aís. vá com a música q chega um pouco mais longe e dance com ela tbm............. sempre ajuda a sentir um pouco mais a dor (sentindo que sente e se distraindo com a possibilidade de sentires, esquecendo um pouco a dor).............................. sinta q sente... e mais do q isso, sinta. musique-se, dance-se, e n se siga tanto. experimente isso de se ir deixando pelo caminho (dando possilbilidades p outras vc)... e fique bem, leve e qualquer coisa de mais bonita.
paz e bem.

sindrome disse...

Gostei do seu blog visite o meu de textos pessoais. obrigado.

Chantinon disse...

Eu diria que é uma coisa bem... mulher! :)
Vendo seu maravilhoso texto me senti até bem, já que meu maior defeito é ter um (logo ele) coração mole. E sendo ele meu único lado feminino, ainda bem que não chego ao ponto de aceitar dores. Mas sobra espaço para ficar comovido com essa coisa agonizante do seu texto.
Bjs!

Jaqueline Lima disse...

deixa que venha, depois vai embora...
beijos bonita!

Anônimo disse...

s-e-n-s-a-c-i-o-n-a-l, gata!!!
vc escreve bem dimais, alem de ser uma verdadeiro kolirio!!!


bjukas!!!

Rê Galvão disse...

Admiro tua coragem! Querer sofrer com toda a força (sem,sem,sem) é, no mínimo, corajoso! Eu sou covarde. Muito covarde! Quando o sofrimento vem eu vivo. Não tem jeito. Mas quando ele vai embora eu fico aliviada demais pra querer que ele retorne! Parabéns pelos textos! Adorei tua escrita!

Thiago disse...

Descreveu perfeitamente a tal da dor dos poetas... gostei...

Beijos e se cuida...

Thiago disse...

Descreveu perfeitamente a tal da dor dos poetas... gostei...

Beijos e se cuida...

...Guga... disse...

A dor não é apenas uma maneira de sofrer.

No pain, no gain.

Isaque Viana disse...

Entendo, Flá. Há dias que não sinto nada. E até a dor se afasta de mim.
Beijo e saudade.

Eu.

Fabrício Romano disse...

Fazia tempo que não passava aqui. Não sei por quê. Como está, Flávia? Abração.

Alê Quites disse...

luta, fuga e sobrevivência.
BeijOS

Maria Rita disse...

Fugimos "dela" mas nada como a "dor" para despertar a alma e abrir caminhos.

Beijos pra Ti

Thiago disse...

Hoje eu só queria voltar a te ler depois de tanto tempo Flávia!

Continuas a flutuar no universo, ver o mundo de perto e fazendo a terra girar.

Como deve ser, dores e amores.

Cheiro.

Luciana disse...

Ando sumida por aqui,você sumida por lá...Mais hoje venho aqui agradecer a força que me deu qnd precisei.

Obrigada

Enttreaspas disse...

Flávia! Simplesmente adorei, intenso, cala fundo, nos faz refletir. "Hoje eu queria uma dor de coração em frangalhos e choro devastado, de mãos e pernas trêmulas e espasmos de corpo inteiro...", não há mais nada a dizer.

Estás convidada a conhecer meu blog
www.enttreaspas.blogspot.com, serás muito bem-vinda!

Beijos e sucesso sempre: )

Aline Azevedo disse...

Flávia,
Tão forte isso tudo que você falou. Tão profundo. Tão humano.
Há dias em que queremos apenas sentir. Nem que seja dor, nem que seja felicidade. Apenas sentir.

Não sentir nada é o mesmo de tudo jogar fora.

Meu beijo

Camilla Rabelo disse...

Olá, aqui é a Camilla, do antigo blog Devaneios, sonhos e loucuras. Estou passando pra avisar que criei um novo blog, e o antigo foi desativado. Por favor, se possível, passar a seguir o: http://meu-lar1.blogspot.com/

Será um prazer ter você como seguidor(a) novamente.

Abraços!

Camila disse...

muitos meses não achava seu blog. Axei finalmente...
vejo o mesmo layout (: Fico feliz em ainda poder ler aqui.

Então flavia,sinta essa dor,só não por muito tempo.