quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Campanha Anti-Ecológica

Na contramão da atual mobilização pró meio ambiente – quando a palavra de ordem é a preservação da vida no planeta – eis que uma espécie descontroladamente proliferada desponta como uma iminente ameaça ao ecossistema: o Machossaurus terrificus.

Uma das características mais marcantes – e aterrorizantes – do machossauro é a capacidade de mimetizar o Homo sapiens, espécie de quem costuma usurpar as fêmeas no período do acasalamento. É onde mora o perigo: uma vez que a eleita esteja em seu poder, o machossauro abandona a aparente docilidade típica da fase de conquista e assume sua natureza de predador feroz e implacável. Os espécimes de Machossaurus terrificus costumam demarcar seus territórios com unhas, dentes, paus, pedras e o que mais estiver à mão: têm como hábito manter as companheiras cativas e isoladas do restante do grupo e, em caso de violação desse instinto, partem impiedosa e invariavelmente para o ataque – ainda que sua presa seja completamente inofensiva.

Machossauros, via de regra, não são monogâmicos. Habitam com uma fêmea responsável pelos cuidados com o núcleo familiar, mantendo relacionamento com diversas fêmeas secundárias – com as quais, muitas vezes, chegam a gerar numerosa descendência. O Machossaurus terrificus é um expert na arte da camuflagem desde a infância: a mesma ninhada pode ser composta por filhotes de ambas as espécies e, embora gerados e criados por fêmeas de H. sapiens, muitos filhotes acima de qualquer suspeita se tornam, na idade adulta, machossauros com instintos ainda mais selvagens que seus genitores.

Machossaurus terrificus adultos, com clã constituído, usualmente deixam de lado o artifício da dissimulação e se tornam permanentemente agressivos – exceção feita apenas ao Machossaurus terrificus gallinaceous, variante pacífica cuja característica primordial é a poligamia. Os demais asseguram a permanência dos integrantes do clã através do abuso da força física e da evocação do medo; como vampiros, alimentam-se da energia vital daqueles que os rodeiam. Por não possuírem predadores naturais, continuam a se multiplicar como pragas, representando perigo constante, sobretudo para as fêmeas do H. sapiens – perigo que só se tornaria de menor monta caso os espécimes fossem identificados, domados e domesticados ainda em tenra idade.

Existe ainda uma outra espécie à solta, tão perniciosa quanto o Machossaurus terrificus, cuja atividade predatória se processa de forma mais sinuosa, mas, nem por isso, menos letal: a Maryia gasolinensis.

A M. gasolinensis, de forma similar ao machossauro, confunde-se facilmente com a fêmea do H. sapiens. Os espécimes são vistosos, exuberantes – característica que lhes permite atrair a presa sem muito esforço. Uma vez alcançado este objetivo, o traiçoeiro animal estabelece uma relação de franco parasitismo com a vítima, tendo o cuidado de mantê-la organicamente funcionante durante certo tempo – até que se satisfaça completamente ou encontre uma presa mais atraente.

M. gasolinensis são animais sugadores por excelência. Seu organismo complexo é equipado com ventosas amplamente distribuídas – as mais letais, utilizadas pelos espécimes em idade reprodutiva com fins de otimizar a procriação, estão localizadas no órgão de cópula, ligando definitivamente a M. gasolinensis ao H. sapiens através de sua descendência.

A seleção natural fez com que a M. gasolinensis se diferenciasse em diferentes subespécies, conforme a necessidade de adaptação ao meio. As mais encontradas na natureza são a M. gasolinensis futebolensis, M. gasolinensis empresariensis, M. gasolinensis politichensis e M. gasolinensis gasolinensis – variedade extremamente adaptável e resistente, com tropismo para qualquer tipo de H. sapiens.

Apesar de versátil, a M. gasolinensis é alvo de um importante elo da cadeia alimentar: a fêmea do H. sapiens, que – apesar de facilmente abatida pelo Machossaurus terrificus – se mostra absolutamente intolerante ao parasitismo promovido pela espécie rival. Essa peculiaridade pode ser a chave para o extermínio desses animais aparentemente inofensivos, mas que, em longo prazo, são capazes de dizimar um número incontável de H. sapiens incautos.

Machossaurus terrificus e Maryia gasolinensis não integram a atual lista de espécies em extinção. Injustamente, diga-se de passagem.

58 comentários:

Walter Rodrigues disse...

Análise interessante muito bem escrita. Impressionante como está autora brinca com as palavras. Texto que movimentasse ciclicamente em nossa mente. O final é o começo e começo é o final. Lê-la por todos os lados, por todos os ângulos. Estranhamento diferenciado igualmente arrebatador. Prazer quase sexual ao intelecto e no final o orgasmo. Ufa! Flavinha, sua escrita é mágica e prazerosa. Continue. Você é a melhor que eu conheço.
E eu ainda estou na dúvida de que espécie de macho eu sou.
rsrs

Bjus e sucesso.

Walter.

Gabriele Fidalgo disse...

Oi, Flavinha!

Obrigada pelo comentário que deixou no meu blog. :)
Muito interessante o seu blog também. Não deu para não ver aqui em baixo os nomes de algumas bandas que eu adoro. Stones, Lynyrd Skynyrd e Pink Floyd? Adorei!

Sem contar, é claro, das tuas palavas.
E, me diz: que mulher nunca conheceu um macho dessa espécie, não é?

Beijos! :]

A Senhora disse...

Doutora, se já não publicou em uma revista científica, esta já é a segunda que eu leio que valeria a pena. Aliás, um "blog científico" seria interessantíssimo, dada a sua incrível capacidade de observar, analisar, descrever e concluir sobre o objeto em observação. ;)

beijinhos, querida.
(estou rindo ainda... :)))

~> Renan disse...


Primeiro homem a escrever aqui!
simplesmente me matei rindo ao ler, apesar do jogo de palavras, da critica e do que escreveu eu achei muito engraçada! Pois REALMENTE diz muito sobre o homem em um geral, é dificil aceitar mas é fato!

Agora sobre ilustrar um dos seus textos? EU ME SINTO HONRADISSIMO!!!
Fiquei muito feliz quando me fez o convite!
Eu adoraria!
Beijos

Robson disse...

Uau!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Me levanto do camarote e grito "efusivamente", o que não me é nada comum - me refiro a ser efusivo - e grito ...BRAVO!!!!
Escreves divinamente bem, e obrigado pelo comentario, sucinto e dos mais profundos no meu blog.
Já esta na lista dos preferidos, adorei te ler.
Quanto a esses espécimes, tenho a pessimista visão de que a reprodução é mais rapida que a possibilidade de extinção...
Bj

Cara de 30 disse...

Rolei de rir de suas descrições científicas sobre estas espécies (ou famílias, sei lá)...

Parabéns mais uma vez pelo seu texto. Em um tempo onde as pessoas analisam o tamanho do texto e desanimam de lê-los, vejo que você os escreve (e bem, o que é importante) e atrái a atenção de mais e mais leitores com o tempo. Isso é raro.

Já pensou em escrever um livro ou de levar isso aqui para um? Acho que seu blog tem gabarito pra isso...

Ultra Violet disse...

É tem certos espécimes que a natureza não foi sábia em manter extinto.

O jeito é fazer uma boa seleção.

Bjs.

Flavinha disse...

WALTER,

Minha opinião? Apostaria que vc é H. sapiens... beijos!

GABRIELE, ULTRA VIOLET,

Mais do que conhecer, o lance é RECONHECER e exterminar. Vamos contribuir para um mundo melhor! Beijos!

MI,

Taí, vc me deu uma boa idéia: criar uma seção aqui só pra essas curiosidades científicas... beijos!

RENAN,

Que bom que aceitou! Posso ver muita coisa boa se delineando dessa parceria... acho que o próximo "artigo" seria uma boa. Vou passar aí pra gente conversar. Beijo!

ROBSON, CARA DE 30,

Nossa, muito obrigada! Fico lisonjeada com a visita, com os elogios e com o link. E realmente, a extinção dessas espécies é uma luta inglória...
Sejam muito bem vindos por aqui, será um prazer recebê-los mais vezes. Quanto ao livro... quem sabe? Beijos!

Taynar disse...

Completamente injusto, devo reinteirar. Eles deviam ser animais completamente extintos. Juro que eu não ia sentir a menor falta... Mas, lamentavelmente, o Machossauros impera na atual flora social em que vivemos. E o pior, ainda sofre de Masculinus Exacerbadus, que faz com que ele ache liiiindo esse comportamento.
Mas o pior de tudo é a Maryia Ingênuicea, que acha que o Machossauros ainda tem solução, e aja tentar modificar a espécie. É fato! O Machossauros continuará solto, aterrorizando fêmeas incautas, enquanto M. Ingênuicea continuará correndo atrás dele, acreditando que ele, um dia, irá se redimir. Eu juro que já vi acontecendo.

Moça, meu msn é o email que chega aí quando eu mando um comentário. Caso não consigas ver, me avisa que eu te mando.

Adorei a crônica! As always ;)

Beijos

Angel France disse...

Hahahahaha - demais essa.
Seu blog é muito bacana, irei visitá-lo mais vezes, ok?
Fica com deus

jessicadeverdade disse...

Incrível o texto, parabéns!
té mais

Mai disse...

Flavinha que delícia de crônica!
Divertida, solta....
Agora já não sei, se há um estilo que goste mais que outro.
Agora um riso sério...
Quem sabe essas espécies, lamentavelmante, não ameaçadas :)Em um surto antropofágico recíproco, não se unem e
destroem-se num controle de "pragas", este sim, ecologicamente correto...
Beijim, adorei!

*Raíssa disse...

Adoreeeei o texto! Quanta imaginação, Flá! XD

Dei boas risadas com os nomes das espécies nada raras de hoje em dia hahaha

Bem que poderiam estar extintas né?

Beijos!

KimdaMagna disse...

...conhecimento das verdades internas...
uma forma Tiresiana (moderna) que alguns femeassapienshomos têm para rastejar por aqui.

criativo

xaxuaxo

felipe lima disse...

Como é que a gente diz que achou o texto inteligentíssimo, pagou pau - desculpe a expressão - pro layout e que irá voltar mais e mais vezes sem parecer meio babão? Não sei, mas adorei ter passado por aqui.

Jaque Lima disse...

Risos. que análise perfeita. e que infelicidade a não extinção desses seres. que por sinal. estão se proliferando. sem freios. alguma vacina anti esses parasitas. seria uma invenção válida nos dias de hoje.

Beijo. grande prazer!

Vinícius Aguiar disse...

Mas que absurdo Flavinha...
hehehehehe
bjs!

Sunflower disse...

Por ser uma Maria Guitarrenses Sapiens Sapiens, nunca fui presa do Machossauro Terrificus. Mas, sou predadora ativa e voraz de Hetero Gutarrideos Sapíens Erectus.

Conhecendo um interessante é só mandar um picterodáteo-correio.

beijas

Flavinha disse...

TAYNAR,

Garota, teu diagnóstico foi ótimo, hahaha! Masculinus exacerbadus realmente anda deixando muitos mancebos ainda mais terrificus... beijos!

ANGEL FRANCE,

Obrigada, moça! Volte sim, será um prazer. Beijos!

JÉSSICA,

Obrigada, querida. Beijo!

MAI,

Seria uma boa, mesmo... quem sabe eles não se cruzam por aí? Beijos!

RAÍSSA,

Ô... tá passando da hora. Beijos!

KIMDAMAGNA,

Obrigada, moço. Beijos!

FELIPE LIMA,

Ah, que delícia! Não sei como se diz, mas também adorei você ter vindo. E adorei seu blog. apareça mais vezes, será um prazer. Beijos!

JAQUE,

Vacina eu não sei se rola, mas reconhecer as criaturas e arrancá-las da "flora social", como disse a Taynar lá em cima, acho que dá, né? Muito obrigada pela visita, o prazer é todo meu. Sinta-se à vontade pra voltar sempre que quiser. Beijos!

VINÍCIUS,

Ué, que foi que eu disse, rs? Beijos!

SUNFLOWER,

Nem te conto que eu tenho uma atração fatal pelos tais Hetero guitarrideos sapiens erectus... a variedade Hetero guitarrideos sapiens erectus tatuadus, então, nem se fala. Faz assim: se eu achar um, é meu (lógico); se eu achar dois, aguarde o pterodáctilo. Beijas!

Paulo R Diesel disse...

Seriam estes Machossaurus paridos e criados por uma espécie de mãessaurus, que tem aquele medo infundado de transformá-lo num gayssauro?
Sei lá, a teoria é tua.

Beijo Flávia.

MELISSA S disse...

Oi, Flávia!! Vim devolver a visita no Cinta!! Espécies complexas essas... :)) Adorei teu blog e voltarei aqui! Bjs

Zé Luiz Sykacz disse...

Tá vendo só? E depois ainda dizem que os homens são todos iguais... Vc, sozinha, já catalogou duas espécies!

Resta saber em qual das duas categorias este farsante que vos fala se encaixa. Chamem os biólogos e antropologistas!!

Beijos moçoila!

Antonio Ximenes disse...

Flavinha.

Existem algumas características masculinas... alguns direitos que são meramente alegóricos... que existem como um chamativo adereço para atrair o interesse feminino.

Algumas dessas qualidades masculinas, apesar da insistência do movimento feminista... ainda persistem em regiões como no Nordeste Brasileiro... onde as mulheres falam em alto e bom som... coisas do tipo:

"Homem educado só pode ser baitola... hômi que é hômi tem que ser bruto."

Minha Terra é repleta de mulher machista... rs.

O tempo não pára e os papéis de homem e mulher vão se colocando tão equiparados e similares... que não duvido que as próprias mulheres... no futuro... por tédio ou desistência... acabem por querer o caminho inverso.

O mundo gira.

Mas.

Continuo sendo fã das mulheres independentes e inteligentes.

Só não gosto de mulher que tenha o braço mais grosso que o meu... aí já é demais... rsrsrsrs

Abração pra tu.

Daniel disse...

Faço minhas as palavras da Mirian. Bjus.

http://so-pensando.blogspot.com

zé guilherme fidelis disse...

Olá, Flávia. legal vc ter passado pelo meu blog, coisa que ninguém tem feitoultimamente, inclusive eu mesmo. até deixou um comentário, legal!

na verdade me fez lembrar que tenho um blog. pois é... como quase ninguém acessava, fui perdendo o interesse, mas acho que o lance é postar mesmo. vou dar uma lida no seu (quanta coisa, tô curioso) e posto uns comentários.

Beijo, até mais!

julio de castro disse...

ah, mas essas espécies sempre são o elemento dinamizador em novelas com os maiores índices de audiência.

papo avulso.

Zunnnn disse...

queria falar bem mais que tres frases..rs
masssssssssssssssssssssssssss...
quem sabe o faça!
rs
Então..
Eu morri de rir com o seu texto.
Assumo que pensei no começo que queria (como qualquer feminista) enfatizar bem o lado debil do reino 'animalys'..rs
mas .. gostei da tentativa (quase lá)
da imparcialidade..rs
Ta..ta.. eu concordo com vc..rs
mas me fez pensar... qual seria a minha especie afinal?
rs

Abraçooo

Ps: que bom que te toquei no ultimo post...
mas to com medo dos seus comentarios agora.. será que minha delicadeza ímpar é só pra conquistar?
rs
entao to suspeitando da minha especie...rs

e sobre Hilda... eu quero sim.
MUITO. rs
eu tenho muitas autoras preferidas...rs mais uma seria só ampliar o deleite..

abraço

Zunnnn disse...

passei de tres linhas?
ops..rs
que pecado!

Patty disse...

Flavinha,

Lança a campanha para a extinção desses seres e nós a ajudaremos nessa missão.

Beijos e bom final de semana!

minicontosperversos disse...

Deu um medo de, desavisadamente, em algum momento da vida, ser ou ter sido um Machossaurus terrificus. Pavor mesmo. Pois a linha que separa esse monstrengo do Machus alphus é muito tênue.

Porque mulher gosta de homem enérgico e firme, certo?

A linha é tênue.

Patrícia Lage disse...

Eu já te disse que esse texto é um claro exemplo de Tratado?! Deveria compor alguma enciclopédia!
Alto grau de descrição, clara explicação e firmamente enraizado nessa nossa fonte materna linguística!

rs...
Ah, Flá
tô contigo, onde é que eu assino?

Meu beijo!

Daniel Salles disse...

hahaha! Muito bom!

Mas me faz pensar que uma espécie pode se transmutar na outra, por alguns instantes de insanidade...involuntariamente, claro...

raai. disse...

mesmo com tão pouca vivencia eu também acho que toda mulher já conheceu um cara desses.

;***

Cesar Oliveira disse...

Flavia
Delicia te ler. O riso elegantissomo da boa escrita. E o pior é saber que em algum instante estivemos perigosamente a beira de ser mal classificado...

man in the box disse...

rs

mto bom rs

bjus

Chantinon disse...

O maior problema para distinguir as espécies é essa mimetização.
Cada dia tá mais difícil saber que tipo de bicho é esse que está do seu lado ou na sua frente.
Mas se você parar para pensar, essas espécies já existem a muito tempo.

Bjs

Flavinha disse...

PAULO,

Será? Vamos desenvolver uma teoria para isso... beijo!

MELISSA S.,

Volte sim, moça, será um prazer. Beijo!

ZÉ LUIZ, ZUNNNN, CÉSAR, GUS, DANIEL SALLES, CHANTINON,

O velho problema da classificação. A convivência no mesmo habitat às vezes faz mesmo a gente confundir as espécies, e acabar classificando de forma incorreta - quando menos espera, percebe que trocou gato por lebre. Mas não é um ou outro instante de insanidade que vai fazer com que um homem seja um machossauro. Pra mim, isso é questão de índole (os rapazes me corrijam se eu estiver errada) - bobagem todo mundo faz, uma vez ou outra na vida. O que faz o monstrengo ser monstrengo é a repetição fria e deliberada do erro. Beijos!

XIMENES,

É verdade. Aqui no norte - região que além da proximidade geográfica, tem uma contigüidade cultural inquestionável com o nordeste - esse padrão de comportamento também é comum. Mas é como disse o Gustavo aí em cima: homem tem que ser enérgico e firme, sim. Mas violência e grosseria são inadmissíveis, em qualquer cultura ou região do país. Beijos!

DAN, MAN IN THE BOX,

Obrigada, meninos. Beijos!

ZÉ GUILHERME,

Hora de retomar o blog então, né? Obrigada por ter vindo, apareça mais vezes! Beijos!

JÚLIO,

Pena que seja só nas novelas de maior audiência que eles levam um "pedala" no último capítulo, né? Beijos!

PATTY,

Considere lançada, pois! Beijo!

PATI,

Hahaha... faz assim: a gente assina isso no coração - pra não esquecer de dá-lo pra quem o mereça, combinado? Beijo!

RAAI,

E eu desejo sinceramente que vc não conheça tanto assim, querida. Beijo!

Pedro Favaro disse...

UAHAUHAUHAUHAUHAUAHUA

Muito bom.
Nossa...MUITO BOM MESMO.

GUILHERME PIÃO disse...

Muito legal, parabéns...sera que sou deste espécime.....ehehehe
Abraços

Extase disse...

Falvai parabens por descobrir uma novas especies... Sabes que sou um cara aeronautico vicop porai no ar, nas nuvens e não percebo essa especie de animais...

mas tomarei cuidado
obrigado pelo aviso

Menina da Imprensa disse...

Ai, flor... A única coisa que eu não aceito, é que pela internet não dá pra pedir autógrafo...mas tudo bem, eu ainda te faço virar notícia, coloco suas poesias no papel e sua foto numa capa dura! Isso sem contar com os preparativos da noite de autógrafos :o) Lembro desse texto da época do cotidianidades...como sempre, muiiiiiiiiito bom!
Kisses

Eros disse...

Passando aqui pra lhe avisar que apartir de hoje, escrevo meus contos eróticos aqui:

http://textoaatres.blogspot.com

Passa lá, sei que irá gostar. Olha, no Ménage não sou Daniel Moraes, mas sim, Eros. Bjus.

http://so-pensando.blogspot.com

Bill Falcão disse...

Conheci - e conheço - muitas gasolinenses. Machossaurus, também!
Bjooooo!!!!!!

FERNANDO RAMOS disse...

Caramba, Flavinha! Muito bom a campanha anti-ecológica, hein?

Mas sabe o pior? É que todo H. Sapiens já teve um pouco de Machossaurus terrificus gallinaceos. Se for mentira, que atirem o primeiro tacape.

Correto, correto, correto, correto, não é. Mas fazer o quê, se as M. gasolinenses também estão a solta?

Agora, do cruzamento das duas espécies sabe o que dá, Flavinha? Jouanna peryguetus. :)

Flavinha disse...

PEDRO FAVARO, GUILHERME PIÃO, DIEGO,

Obrigada, meninos. Beijos!

VANESSA,

Linda! você não precisa de autógrafo: vc tem a minha amizade... beijos!

BILL FALCÃO,

Eu conheço mais do que gostaria, belo. Beijos!

FERNANDO,

kkkkkkkkkkkk!! O cruzamento foi ótimo!! Beijos!

Ella... disse...

Nossa! Apesar de tratar de meio que uma "tragédia" das fêmeas da espécie H. Sapiens, impossível não melhorar o humor com seu texto. Muito bom! Agradecida pelas boas vindas, pode deixar que volto sim.
bjos

ALF disse...

ô Flávia, que forma humorada pra cê tratar disso.
hehehehehe

Tu me surpreende a cada dia.
Beijocas

Kari disse...

Pois é moçinha. E não existe espécie mais perigosa que essas...
Espero, algum dia, que sejam extintos...

Beijão

Daniel disse...

Boa semana gta. Bjus.

http://so-pensando.blogspot.com

Mila disse...

Maninha...
Me considero uma criaturinha em extinção... e tenho achado que isso nem é ruim não... Vai ver é seleção natural!!! hauahauhaua
Beijos Mila

Edna Federico disse...

Gentem....e eu que achei que estavam em extinção!
Hehehehehehehehe

Zandali disse...

MUITO BOM!!!!!
perfeito! superou a teoria da "vaca nova"! kkkkkkkkk

beijos mil

Zandali disse...

MUITO BOM!!!!!
perfeito! superou a teoria da "vaca nova"! kkkkkkkkk

beijos mil

Zandali disse...

vamos lá: tem um filme chamado Someone Like You (Alguém como você), se não me engano é de 2000 (já ficou velho, kkkk)... bom, no filme a garota sofre uma mega desilusão amorosa e passa a colecionar teorias sobre comportamentos de acasalamento. Daí rola a história de que bois, sempre precisam de vacas novas, eles nunca copulam com a mesma vaca.

bom, li isso num blog (claro, já tinha visto o filme)...
taí vai o link!
http://batidadebanana.blogspot.com/2008/09/vaca-nova-e-vaca-velha.html

beijocas e tenha um lindo dia!

iara disse...

especiezinhas nojentas....
pior que pragas se espalham....
adorei o post

Garota no hall disse...

Ainda bem que consigo reconhecer facilmente um Machossaurus terrificus. E concordo, infelizmente as espécies citadas não estão em extinção - e acho que ainda habitarão nosso planeta por muitos séculos.

Tyr Quentalë disse...

Ri um bocado com a análise antropológico das espécimes.
Faço coro contigo, que é um bocado injusto eles não estarem em extinção.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,